AS 10 NOTÍCIAS MAIS LIDAS

CLIQUE AQUI

OS 10 VÍDEOS MAIS VISTOS

CLIQUE AQUI
Imprimir

Pedofilia e extorsão nas redes sociais

Publicado .

 

Bandidos usam sites como Facebook, Orkut e MySpace para aplicar golpes e roubar dados de clientes. Polícia orienta a ter cuidado

RIO

Caiu na rede é amigo? Cuidado porque pode ser um inimigo... Queridinhas de nove entre cada 10 internautas, as redes sociais, como Facebook, Orkut, MySpace e outras, lançadas no mundo virtual como ambientes para reunir pessoas, também podem se transformar em armadilhas, bem perigosas por sinal, principalmente para quem não se preocupa com privacidade.

Apenas no ano passado, a Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática (DRCI), no Rio, prendeu 11 pessoas envolvidas com estelionato, pedofilia e extorsão, crimes que tiveram origem em sites de relacionamento.

“Pode parecer, à primeira vista, um número pequeno, mas significa praticamente uma prisão por mês, o que é muita coisa”, afirma a delegada Helen Sardenberg, titular da DRCI, alertando para o fato de que as vítimas desses crimes, por descuido ou ingenuidade, acabaram se expondo demais, fornecendo informações pessoais que ajudam criminosos.

Desde que assumiu, há dois anos, a DRCI, Helen intensificou o trabalho de investigação e registros de ocorrência de crimes ocorridos na internet, o que fez os números subirem: em 2008 foram 987 registros, seguido por mil em 2009 e 1104 no ano passado.

De janeiro até a semana passada, a DRCI já registrou 298 denúncias, a maioria crimes contra a honra.

Entre as prisões efetuadas, ano passado pela DRCI, o caso mais grave envolveu uma mulher, na faixa dos 60 anos, que prefere manter o anonimato. Ela conheceu pelo Orkut um homem, com quem passou a ter um relacionamento virtual.

A pedido do “namora do”, postou vídeos eróticos. De posse do material, o homem selecionou imagens e ameaçou divulgá-las se a mulher não pagasse R$ 15 mil. A mulher pagou, mas mesmo após receber o dinheiro, ele divulgou as imagens e a vítima denunciou a extorsão à DRCI e o homem foi preso no Nordeste.

“A internet é um espaço público. Assim como se ensina uma criança a não falar com estranhos, o usuário precisa estar alerta para que tipo de informações pessoais vai postar, assim como comentários e fotos”, advertiu a delegada.

Fonte: A tribuna ES